Mesa ao vivo com o Chef Thales Alves

Vitae adipiscing turpis aenean
11 de Maio de 2014
Vozes que foram caladas por séculos
21 de agosto de 2019

Mesa ao vivo com o Chef Thales Alves

Tempo de leitura: 7 Minutos

Experiência Mesa

a primeira vez a gente nunca esquece

Pode parecer clichê, mas é a primeira vez que vivencio o Mesa como um chef de cozinha conhecido nacionalmente. Achei por muito tempo que demoraria ao menos quinze anos a mais do que demorou, mas a vida tem destes altos e baixos, momentos em que o topo chega e a gente fica sem entender direito, mas chegou e eu quero compartilhar com você como foi.

Eu vivenciei a “experiencia mesa” nos dias quatorze e quinze de agosto de dois mil e dezenove.

O primeiro dia foi cheio, muitas revistas e jornais tentando o clique perfeito, a máxima da gastronomia brasileira estava no congresso. E sim, você que assim como eu não sabe o que aconteceu, vou explicar do início.

O Mesa ao vivo é um dos maiores momentos para gastronomia local e nacional. É patrocinado e realizado em conjunto com a abrasel em seu congresso itinerante que viaja pelo Brasil com aulas, palestras, tendências gastronômicas e o que há de novo no mercado da gastronomia. Suas criações, inovações e produtos que facilitam a vida de pessoas que assim como eu, são ligadas de alguma forma ao ramo de alimentação e bebida.

Não vou ser longo, prometo.

Vivenciei experiências incríveis, vi a Marvi (marca de casquinhas) inovando com um copo para café comestível o que é 100% renovável, criativo e inovador.  Presenciei uma marca local de molhos de tomates orgânicos que faz de seus molhos um dos meus momentos preferidos (a marca não foi citada por não ter disponibilizado material para foto promocional). Algumas marcas grandes como Ambev, trouxe sua cerveja especial Hoegaarden, uma Witbier* com laranja e coentro.

O primeiro dia foi regido e apreciado com louvores pelo Gastronomia Harmonizada, assinado pela Chef de cozinha Anna Claudia Morale (@gastronomiaharmonizada) que é filiada a FIC (federação de cozinha italiana), foi um dos estandes centrais e ganhou não só meu coração como o da grande parte do público, trouxe doces italianos como cioccolato al zabaglione con mondorle que é uma casquinha de chocolate com recheio de zabaione, cereja e amêndoa que foi de tirar o sossego de qualquer pessoa viva.

Já o segundo dia foi marcado pela Sociedade Vegetariana que mostrou o ar da graça trazendo a Chef Liih Salles (@liih_vegancook), demonstrando com sabores espetaculares o que a gastronomia vegetariana tem de melhor. Eu que não sou vegetariano fiquei apaixonado pelos queijos de amendoim e os envelhecidos feitos à base de castanhas.

A presença desta chef em especial, junto a @sociedadevegetariana foi de grande valia, já que inserem a comida vegetariana no cardápio de inúmeros estabelecimentos sem fugir dos insumos costumeiros, aproximando ainda mais a realidade do local para um público que sente falta de opções que não sejam batata e soja.

Fiquei impressionado e com os olhos mareados em pensar que, se não soubesse que se tratava de um produto vegano, jamais pensaria sobre a possibilidade de inserir, ao menos uma vez na semana um dia específico para ficar livre do consumo animal.

O evento como um todo foi uma experiência incrível, mas foi doloroso entender que eu não fui representado no evento. A minha crítica em especial vai tanto para o Mesa, quanto para a Abrasel.

Senti falta de chefs de cozinhas negros, travestis e transexuais e sim, nós existimos. Vou continuar batendo na tecla todos os dias, nós estamos aqui, não há a necessidade de olhar muito ou fazer uma pesquisa grande. Dentre os inúmeros chefs de cozinha nenhum deles era “minoria”.

Sim, o evento foi lindo, mas deixou a marca de que eu não sou pertencente ao local. Estudantes sem referência, pessoas ligadas ao ramo de negócios gastronômicos mundialmente conhecidos sem a presença de parte da população que é minoria dentro deste espaço que concentra a sociedade com acesso ilimitado a recursos financeiros, mas que deixa sem referência mais da metade da população brasileira.

E para você que acha que é mimimi, convido-o para uma pesquisa breve sobre os 54% da população brasileira que se considera negra, mas neste evento não cumpriu corum obtendo o total de 0% no quesito Chef de cozinha ou Chef convidado.

Imagine só, você que assim como eu vive em um mundo onde pessoas negras são cotidianamente vistas e ouvidas, dentro de casa, na rua e no comercio e no momento em que pisa em um evento da magnitude do Mesa ao vivo, se deparar com exatamente 0 pessoas que são como você em cargos estratégicos.

Fico aqui com meu questionamento, meu pedido de atenção e meu puxão de orelha.

Nós estamos aqui, existimos e vamos continuar brigando por nosso espaço. Caso haja qualquer tipo de dificuldade em encontrar estes profissionais, nos colocamos a disposição para encaminhar uma lista destes para que sejam convidados a fazer parte deste mundo tão seleto.

Escrito por Chef Thales Alves (@chefthalesalves)

Graduado com louvor pela universidade Católica de Brasília, Especialista em Educação Técnica, Profissional e Superior pelo IDESP, Presidente do Diversifica!, participante do maior reality show de gastronomia mundial Masterchef Profissionais e colunista gastronômico do Portal de Noticias BSB.

Se você viveu o Mesa ou e quer enviar sua opinião sobre o evento, entre em contato conosco, estamos aqui para compartilhar de todos os momentos.

Grande abraço, manda foods,

Chef Thales.

Thales Alves
Thales Alves
Gastronomo, especialista em educação profissional, tecnológica e superior, esperto, sarcástico, gay, preto, muito gay, transexual e vilão de reality show nas horas vagas. Por favor, não mande nudes, mande foods!

1 Comment

  1. Avatar Maria Célia Rossato Costa disse:

    Parabéns, Thales. Espalhe seu brilho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *